Após estréia com acidentes, João Rosate volta a vencer e sobe ao pódio três vezes na 2ª etapa

Kart |
18 de março de 2016

Piloto goiano disputou categoria Shifter Graduados, Rotax Max e Pro 500

 

Por conta de um acidente que o tirou da etapa inaugural, João Rosate aparecia nas últimas posições da classificação geral da Shifter Graduados. De volta ao Kartódromo Internacional Granja Viana no sábado, 12, Rosate entrou na pista a fim de mudar seu destino na categoria dos karts com marcha.

Cravando o 5º tempo no qualify, Rosate largou bem e ao ver o então líder da prova e do campeonato, Bruno Grigatti se enrolando com o vice Gaetano Di Mauro na curva 3, aproveitou para ganhar duas posições.

Figurando em 3º já na 2ª volta, foi a vez de Danilo Dirani perder posição para Rosate por conta de uma derrapada. Mas já na volta seguinte, Dirani se recuperou bem e saiu da 3ª posição para a 1ª, de onde não saiu mais.

Mas se tratando de uma prova com 32 voltas, Rosate sabia que poderia melhorar sua colocação. Antes do placar informar a metade da corrida, João investiu e conseguiu passar o kart #17 pilotado por Guilherme Salas.

As posições se mantiveram assim na maior parte da corrida: Dirani em 1º, Rosate em 2º, Salas em 3º e Grigatti em 4º, todos pilotos correndo pela Graduados.

Faltando três voltas para o fim, os pilotos sentiram que era a hora da última investida no rival. Mas para João a situação era mais difícil, pois Dirani havia aberto boa vantagem e além disso, um retardatário corria entre o líder e o vice-líder. No fim, Rosate ficou mesmo com o 2º lugar, somando seus primeiros 30 pontos no campeonato.

Horas mais tarde, João Rosate voltou à pista, dessa vez para a tomada de tempo da classe Rotax Max e em um dos grids mais cheios do final de semana, com 27 competidores, Rosate tratou de colocar seu kart número #58 na 1ª posição.

A primeira bateria dos Max foi marcada por muitos acidentes. Logo na 3ª curva, 5 karts se embolaram na 3ª curva do traçado. Diferente da etapa anterior, Rosate se manteve longe das colisões e se concentrou na manutenção do 1º lugar, evitando que Marcel Coletta, em 2º, se aproximasse.

Na bandeirada final, Rosate a recebeu com folga. Venceu de ponta a ponta e espantou de vez a experiência frustrante da estréia. Na segunda corrida da Max, nova vitória incontestável de Rosate, largando na frente, mantendo uma liderança segura e conquistando sua segunda vitória do dia. No fim, a 2ª etapa rendeu a Rosate 34 pontos na classificação geral do campeonato que o colocam definitivamente na briga pelo título da categoria.

Sobre os grandes resultados que conquistou, Rosate se mostra confiante: “Eu esperava bons resultados na Rotax, pois na última prova já éramos muito rápidos e não teve muito espaço entre uma corrida e outra para perder o ritmo”, contou. “Já na Shifter foi uma surpresa. Mesmo sendo rápido nos treinos, não tinha certeza se seria igual. E não foi. Foi muito melhor”, comemorou Rosate.

“Quando entrei na pista esperava terminar no pódio, entre os 6. Ficar em 2º foi muito bom. Melhor ainda foi ver que tinha ritmo para acompanhar o primeiro”, disse João Rosate que só não ficou mais satisfeito por ver um grande piloto abandonando a prova e não poder disputar posições com ele: “O Gaetano não conseguiu terminar. Ele é muito rápido! Estou torcendo para poder disputar com ele na próxima etapa em Interlagos!”, planejou.

No fim da tarde, Rosate ainda teria mais um compromisso: encararia a prova de 1 hora e 20 minutos da Pro 500. Dessa vez, não pode contar com a ajuda do irmão para dividir a direção do kart nº60, pois Luis não conseguiu chegar a tempo.

Mesmo assim, João colocou o kart carenado da equipe Petroball em 10º no geral e em 7º pela sua categoria.

Nos primeiros minutos de prova, Rosate já foi ganhando posições em uma recuperação incrível, subindo para 8º geral, depois 4º chegando até a 2º posição, quando foi para boxes. Na volta, o kart #60 da equipe de João termina os primeiros 50 minutos de corrida em 3º.

Na relargada, Rosate segue de perto Peterson Nakamura e Alberto Catucci, esperando um deslize dos pilotos para então conseguir subir posições. Mas os dois experientes pilotos não vacilam e João dá espaço para o kart da equipe MFS Racing o passa-lo.

Com faltando 20 minutos para o fim, Rosate sinaliza para os mecânicos, avisando que o kart já não apresenta o mesmo rendimento. “Estamos com dificuldades, pois não temos um kart nosso ainda, cada etapa corremos com um diferente, que nos emprestam e eu tenho apenas um treino para tentar acerta-lo”, explicou depois da prova o goiano.

No fim, João terminou na mesma posição que largou: 10º. Sobre a maratona de provas (4 no dia, com uma durando 1h20), João tira de letra: “Já estou meio que habituado a passar o tempo todo em um kart”, brinca.

Rosate volta a competir em seu habitat natural, o kart, no próximo dia 9 de abril, pela 3ª etapa da Copa São Paulo Granja Viana, que desta fez encomendou as provas na pista de Interlagos, São Paulo.

 



Compartilhe esta notícia nas Redes Sociais: