Vice-campeão da F3, Guilherme Samaia faz balanço da temporada e conta os momentos ficarão na memória

Fórmula |
20 de dezembro de 2016

Apesar das adversidades e problemas mecânicos, piloto destaca ano de aprendizado e desenvolvimento coroado com três vitórias em seu primeiro ano na divisão principal da categoria de monopostos mais veloz do país (Foto: Duda Bairros/Shooters)

O piloto Guilherme Samaia encerrou a temporada 2016 da Fómula 3 Brasil com um segundo lugar em Interlagos. Na segunda prova, uma situação que infelizmente foi recorrente esse ano: o câmbio quebrou ainda na primeira volta da segunda corrida. Mais uma vez, Samaia se viu obrigado a abandonar por problemas inerentes ao seu desempenho. Contudo, o piloto paulista considerou positiva sua primeira temporada na divisão principal da F3 Brasil, terminando a temporada com três vitórias, dez pódios, duas poles e o vice-campeonato com 140 pontos.

A seguir, o piloto destaca os pontos positivos da sua estreia na classe A da F3, fala dos momentos que ficarão para sempre em sua memória e o que vem para ele no ano que vem.

ClickSpeed: Com o fim da temporada 2016, qual o balanço você faz desse ano sobre sua participação na F3 Brasil pela classe principal?

Guilherme Samaia: Foi positivo, pois aprendi demais e trouxe uma boa disputa pelo campeonato, apesar de ter tido diversos problemas ao longo do ano. Foi uma temporada positiva, de muito aprendizado, que resultou no vice-campeonato neste ano. O carro da F3 Brasil tem suas características particulares, então deu para compreender seus mecanismos, além de ganhar bastante experiência de corrida para meus próximos passos no automobilismo. Apenas lamento o fato de ter tido muitos problemas no decorrer do campeonato que nos tiraram da disputa pelo título.

 

 

ClickSpeed: Se pudesse dar alguns conselhos para o Guilherme Samaia do início do ano, campeão da F3 Light de 2015, o que falaria a ele a respeito da temporada que iria iniciar?

Guilherme Samaia: Simplesmente focar no seu trabalho.

 

 

ClickSpeed: Qual foi o ponto alto e o ponto baixo do seu campeonato? Que momentos ou corridas ficarão na sua memória sobre 2016?

Guilherme Samaia: O ponto alto foi a parte que provei para mim mesmo e para meus familiares de que faço bem o esporte que escolhi através das poles e vitórias. Os pontos baixos foram as diversas quebras e problemas que sofremos durante o ano, que nos tiraram as chances de ser campeão. A lembrança mais positiva de uma corrida deste ano foi minha primeira vitória, depois de ter largado da pole – a primeira do ano – em casa (Interlagos). Acho que a corrida de São Paulo foi o divisor de águas. Não tivemos problema algum e conseguimos demonstrar nosso potencial. Depois, repetimos o bom desempenho nas etapas seguintes com mais vitórias.

 

 

ClickSpeed: Depois do vice-campeonato, quais são seus planos para 2017? Fará mais um ano de F3 ou estuda propostas de disputar campeonatos fora do país?

Guilherme Samaia: Ainda nada definido. Tudo vai depender de patrocinadores. Ainda é cedo para afirmar em qual campeonato vamos correr. Temos também a opção de permanecer mais um ano na F3 Brasil. Estamos estudando caminhos e buscando patrocinadores para ver que passos vamos tomar.



Compartilhe esta notícia nas Redes Sociais: