Depois de alfinetada de Piquet em Senna esta semana, relembre as 15 maiores rivalidades entre pilotos da F1

Fórmula |
2 de agosto de 2015

Desafeto entre competidores sempre foi comum em toda a história da principal competição do automobilismo

“Senna sempre foi um piloto sujo na sua carreira”, disse Nelson Piquet esta semana durante evento da 30ª edição do GP da Hungria. A frase saiu após ser questionado se teria realmente mostrado o dedo do meio ao compatriota depois de ultrapassa-lo em uma corrida na Hungria. Piquet então relembrou episódios de Senna ao longo da carreira, retomando a passagem do piloto pela F3 quando bateu em Martin Brundle em Oulton Park: “Fez o mesmo com Prost em 90 para ganhar o campeonato. Eu não concordo com isso. No automobilismo, você precisa ser limpo. Quer ser campeão? Tudo bem. Mas precisa ser limpo. Ele não era limpo na pista. Foi por isso que mostrei o dedo do meio para ele”.

A declaração de um piloto criticando outro não é novidade na Fórmula 1. Brigas e desentendimentos muito menos. Em um dos esportes mais competitivos onde ninguém gosta de ser ultrapassado, às vezes algumas manobras não são muito bem vistas e seus autores vão colecionando inimigos.

Veja outras duplas que trocaram farpas dentro e fora do cockpit:

 

Niki Lauda vs James Hunt

 

 

Niki Lauda e James Hunt ganharam filme pela disputa travada dentro das pistas

Niki Lauda e James Hunt ganharam filme pela disputa travada dentro das pistas

De um lado um piloto metódico, introvertido e discreto. Do outro, um irreverente, festeiro e verdadeiro sucesso com as mulheres. Para colocar mais pimenta: o contido Niki Lauda defendia a Ferrari enquanto o mulherengo Hunt a McLaren.

A rivalidade aconteceu na década de 1970. As personalidades opostas protagonizaram uma das mais famosas rivalidades e um dos mais emocionantes campeonatos da F1.

 

A imagem que definia Hunt fora das pistas: cigarros, álcool e mulheres

A imagem que definia Hunt fora das pistas: cigarros, álcool e mulheres

 

Em 1976, o austríaco Lauda defendia o título mundial com tranquilidade: líder com 52 pontos. Ele havia vencido cinco das primeiras nove corridas da temporada, contra apenas duas de James Hunt, seu maior oponente. O inglês Hunt tinha apenas 26, mas na metade do campeonato começou a se recuperar.

No GP de Nurbugring o mau tempo quase impediu a prova de ser realizada. Lauda não queria correr enquanto Hunt não via problemas com a condição da pista. A corrida não foi adiada e o austríaco sofreu um gravíssimo acidente que quase tirou sua vida. Mesmo com queimaduras graves que deformaram seu rosto e tirou partes de sua orelha direita e outros ferimentos, Lauda sobreviveu e mais do que isso voltou às pistas seis semanas depois. No seu retorno viu o rival também se recuperar, nos pontos.

 

Niki Lauda concede entrevista após grave acidente que o deixou marcas de queimaduras

Niki Lauda concede entrevista após grave acidente que o deixou marcas de queimaduras

 

Na última corrida, GP do Japão, mais uma prova arriscada, chuva e pista escorregadia. Temendo sofrer outro acidente, Lauda abandonou a corrida e viu Hunt chegar em terceiro, posição suficiente para vencer aquela temporada por apenas 1 ponto.

Essa rivalidade é mostrada no filme “Rush: no Limite da Emoção. Relevando alguns momentos ficcionais entre a relação dos dois, o filme é uma ótima pedida. Ao que tudo indica, as desavenças entre os dois ficava mais dentro das pistas. Após o lançamento do filme, porém, Lauda disse que Hunt era seu amigo e que ele até já o havia visitado em sua casa em Londres.

Jochen Mass vs James Hunt

 

Jochen Mass e James Hunt: apelidos e brigas internas separaram os dois

Jochen Mass e James Hunt: apelidos e brigas internas separaram os dois

 

Se o duelo entre Lauda e Hunt era mais ameno, o mesmo não se pode dizer entre o inglês e o alemão Mass.

Enquanto parceiros de equipe, Hunt se referia a Mass como “Hermann, o Alemão”, pelo modo duro e fechado do piloto. A tensão só cresceu após um incidente no GP do Canadá de 1977, quando Hunt daria uma volta no alemão, mas ambos se chocaram e o inglês foi parar nas barreiras, deixando a prova. Visivelmente irritado, Hunt ficou próximo da pista e mostrou o punho a cada passagem de Joachen Mass. Em seguida, o britânico agrediu um fiscal e foi multado.

 

 

Didier Pironi vs Gilles Villeneuve

 

Pironi e Villeneuve, uma rivalidade que não fez bem para ninguém

Pironi e Villeneuve, uma rivalidade que não fez bem para ninguém

Eles protagonizaram a briga entre companheiros de equipe mais trágica da história da Fórmula 1. Correndo pela Ferrari em 1982, os pilotos se envolveram em confusão numa corrida que deveria ser uma das vitórias mais tranquilas da Ferrari.

Em meio a um boicote à FIA, apenas 14 carros participaram da corrida em Ímola, e a Ferrari era claramente superior aos outros carros que disputaram o GP de San Marino. A vitória estava previamente definida para Villeneuve, já que a Ferrari havia pedido para os pilotos não se arriscarem muito, mas Pironi desobedeceu às ordens da equipe e chegou à frente do canadense naquela corrida. Isso irritou Villeneuve profundamente e jurou que não iria mais falar com o francês. E não falou. Duas semanas depois, tentando dar o troco em Pironi, Gilles Villeneuve tentou desesperadamente uma última volta rápida nos treinos classificatórios na Bélgica, mas sofreu um gravíssimo acidente e morreu. Já Pironi continuou a correr, mas em 1982, ele sofreu um acidente semelhante ao de Villeneuve, nos treinos do GP da Alemanha. Sobreviveu, mas não voltou mais a competir na Fórmula 1. Contudo, em 1987, enquanto disputava uma corrida de barcos, o seu barco virou numa onda e ele faleceu aos 35 anos.

 

 

 

Alain Prost vs Nigel Mansell

 

Alain Prost e Nigel Mansell: sempre envolvidos em confusões com outros pilotos, inclusive entre eles

Alain Prost e Nigel Mansell: sempre envolvidos em confusões com outros pilotos, inclusive entre eles

 

Deixando a McLaren pelo desgaste com Ayrton Senna, Prost volta a enfrentar o ambiente pesado da escuderia italiana Ferrari, que tinha outro piloto indigesto: Nigel Mansell. O piloto inglês reclamava de um suposto favorecimento a Prost o que fez do paddock da Ferrari um dos mais conturbados da temporada de 1990.

 

 

 

Nigel Mansell vs Nelson Piquet

 

Mansell e Piquet

Mansell e Piquet

Bicampeão mundial pela Brabham, Piquet chegou com moral a Williams. Seu companheiro de equipe era inglês igual à escuderia. Isso já bastava para Piquet desconfiar de favorecimento a Mansell, mas dentro do cockpit os resultados eram muito próximos. Um tirava os pontos do outro, deixando o título de 1986 para Alain Prost. Tanto que quando perguntado por um repórter qual era a diferença entre eles, Piquet disse que Mansell “gostava de mulher feia”. Ambos nunca foram amigos mesmo.

 

 

Ayrton Senna vs Alain Prost     

 

Senna e Prost, a rivalidade que durou 10 anos

Senna e Prost, a rivalidade que durou 10 anos


A rivalidade mais duradoura da história da F1 começou no GP de Mônaco de 1984: o francês Alain Prost liderava uma prova muito complicada por causa do estado da pista. A chuva quase impediu que a corrida se realizasse. Mas aconteceu. Na verdade, o que mais aconteceu foram acidentes e abandonos da prova. O único que parecia seguro e muito confiante era um brasileiro, na época novato e desconhecido, a bordo da frágil Toleman. Largando na 14ª posição, Senna surpreendeu ultrapassando um por um, até alcançar o líder da prova, Alain Prost. Prestes a superar também o consagrado e respeitado francês da McLaren, a prova foi suspensa. Senna jamais engoliu a segunda colocação e ali foi plantada a semente da intensa rivalidade Prost-Senna.

Tudo fica ainda mais enérgico em 1988, quando os dois defendem a mesma escuderia, a McLaren. Os pilotos haviam combinado que, independente de qual dos dois tomasse a ponta de uma corrida na largada, o companheiro não tentaria ultrapassá-lo logo na primeira curva. Só que em Ímola, Senna descumpriu o combinado e atacou Prost na segunda curva, ultrapassando o francês que não esperava a ofensiva do brasileiro. A partir daí, mais e mais a disputa esquentou.

O brasileiro leva a melhor em 1988 e conquista seu primeiro título depois de derrotar Prost de forma espetacular no GP do Japão. Porém, teve volta: no ano seguinte, no mesmo circuito, é a vez do francês vencer.Senna e Prost bateram na 46ª volta, o que deu o título a Prost. Senna, com o bico quebrado, ainda continuou correndo naquele dia, mas sua vitória foi anulada.

O francês reclamou de tratamento preferencial a Senna na McLaren e acertou com a Ferrari em 1990. Novamente no Japão, foi a vez de Senna se beneficiar de uma batida com Prost para erguer o título – um acidente que, para muitos, foi premeditado pelo brasileiro. Depois disso, Senna e Prost ganhariam mais um título cada, mas sem disputas diretas pela taça.

Recentemente, Alain Prost declarou que graças a Senna, ele pode melhorar como piloto: “Eu acredito que a competição que enfrentei naquela época me fez ser um piloto melhor, embora eu só tenha realmente compreendido o significado da minha rivalidade com Ayrton depois que me aposentei. Nossos duelos realmente beneficiaram a Fórmula 1 e elevaram a disputa para um outro nível, mais humano. Nós tivemos personalidades diferentes, uma forma contrastante de pilotar e uma abordagem distinta sobre o esporte. Mas depois que parei de correr, entendi que o jeito de Ayrton foi muito mais claro, e preciso agradecê-lo, porque 50% do meu sucesso se devem a ele”, discursou Prost durante cerimônia em junho deste ano.

Aposentado em 1993, Prost ouviu de casa a declaração de Senna antes de ir correr a fatídica corrida de San Marino em 1994: “Um alô especial para nosso querido amigo Alain. Nós sentimos sua falta, Alain”, disse Senna. Apesar de todas as provocações e críticas do passado, Prost veio ao Brasil para o funeral de Senna e prestou sua homenagem ao adversário mais famoso. Prost é um dos principais colaboradores do Instituto Ayrton Senna hoje.

 

Ayrton Senna vs Nelson Piquet          


Senna e Piquet: compatriotas colecionaram  desentendimentos ao longo da carreira

Senna e Piquet: compatriotas colecionaram desentendimentos ao longo da carreira

Se Piquet continua soltando declarações como “Senna sempre foi um piloto sujo” até hoje, quer dizer que as desavenças são profundas. Mesmo com semelhanças como o país de origem e os três títulos na Fórmula 1 para cada um, as cinco temporadas em que correram juntos renderam muitas brigas.

Em 1986, Piquet ficou em terceiro lugar no campeonato, superando Senna, que foi o quarto; em 1987, Piquet foi o campeão, e Senna o terceiro. No ano seguinte, Senna vencia o seu primeiro título com a McLaren, mais veloz que a Lotus pilotada por Piquet que terminou o ano em quinto lugar.

Ao contrário do duelo entre Lauda e Hunt, as brigas de Senna e Piquet aconteciam principalmente fora das pistas: provocações entre os pilotos eram frequentes através das entrevistas à TV e aos jornais.

 

 

Ayrton Senna vs Nigel Mansell


Mansell e Senna

Mansell e Senna

Senna é até hoje um dos pilotos mais queridos pelos brasileiros, mas não era tão benquisto entre os pilotos.

Pela terceira vez nessa lista, o brasileiro também travou disputas quentes com Nigel Mansell. O duelo terminou no 1 a 1. Em 1991, Senna, então na McLaren, foi o campeão, com Mansell, da Williams, em segundo; em 1992, foi a vez do inglês vencer, deixando o brasileiro como vice. Senna e Mansell não tinham problemas de relacionamento fora das pistas e pilotaram carros diferentes demais nas duas temporadas – a McLaren de 1991 foi a última da geração de ouro da equipe e a Williams de 1992 é considerada o melhor carro que a Fórmula 1 já viu. Apesar disso, as disputas entre eles foram sempre empolgantes – como no GP da Hungria de 1992, quando Senna ultrapassou Mansell na primeira volta e defendeu todos os ataques do inglês até o fim da prova, apesar de pilotar um carro bastante inferior. Mansell não ultrapassou Senna e ficou em segundo, mas festejou mesmo assim: o resultado deu ao inglês seu primeiro e único título mundial.

Ayrton Senna vs Michael Schumacher         


Senna e Schumacher em 1994

Senna e Schumacher em 1994

Em 1994, a última temporada de Senna na Fórmula 1 começou com uma nova rivalidade: com apenas três anos de Fórmula 1, Schumacher começava a despontar entre os líderes da categoria na modesta Benneton. Depois de dois anos tentando alcançar as Williams, Senna se juntou à equipe inglesa e agora era o primeiro piloto da melhor escuderia da época.
As três primeiras corridas da temporada pareciam ter um roteiro: Senna pole, Senna tem um imprevisto e abandona, Schumacher vence. Na última corrida da vida de Senna, o roteiro foi exatamente igual: Senna foi pole, Senna sofreu aquele gravíssimo acidente que tirou sua vida, e Schumacher venceu a corrida e a temporada.

No momento da tragédia na curva Tamburello, Schumacher tentava alcançar Senna. A batida fatal interrompeu prematuramente o que seria, para muitos, o maior duelo da história da Fórmula 1 – Senna e Schumacher, os dois melhores pilotos que a categoria já viu, tinham equipamentos equivalentes e a mesma vontade de vencer. Sem o brasileiro, o alemão foi o campeão da temporada.

 

 

Michael Schumacher vs Rubens Barrichello

  

Schumacher e Barrichello: tratamento diferenciado dado pela Ferrari distanciou os pilotos

Schumacher e Barrichello: tratamento diferenciado dado pela Ferrari distanciou os pilotos

A Ferrari mostrava claramente que o alemão era o piloto número 1 e o brasileiro uma peça importante para ajudar o companheiro a ser campeão, além de levar a equipe italiana ao título Mundial de Construtores.

O episódio mais nítido dessas posições foi no GP da Áustria de 2002, quando Barrichello cedeu a vitória a Schumacher bem na reta de chegada depois de receber uma ordem da equipe.

Schumacher brinca com "tartaruga Barrichello" em coletiva de imprensa

Schumacher brinca com “tartaruga Barrichello” em coletiva de imprensa

Naquele tempo já era perceptível a insatisfação de Barrichello com a Ferrari. Depois de sua saída, o piloto fez duras críticas à forma como Schumacher era privilegiado dentro da escuderia.

“Conquistei meu espaço da melhor forma possível, mas é impossível conquistar o espaço que o (Michael) Schumacher tem no coração do Jean Todt. Aqui a coisa é mais aberta”, disse ele, referindo-se ao relacionamento entre o heptacampeão mundial e o chefe da Ferrari.

“Eu tinha meu espaço, era aquele e não ia subir. Eu nunca ia ser campeão com aquele suporte, eu precisava de mais. Sempre acreditei que tinha o mesmo equipamento do Schumacher, mas precisava de mais suporte”.

E ainda teve o episódio da “Tartaruga Barrichello”. Durante uma entrevista coletiva, Schumacher recebeu uma tartaruga de brinquedo entregue por um programa de humor e ao receber o objeto brincou com ele na bancada e riu das piadas sobre o brasileiro.

 

Kimi Raikkonen vs Juan Pablo Montoya

 

Kimi Raikkonen e Juan Pablo Montoya: as desavenças entre os dois custou o título de construtoras para a Mercedes

Kimi Raikkonen e Juan Pablo Montoya: as desavenças entre os dois custou o título de construtoras para a Mercedes

 

O talento dos dois pilotos era de encher os olhos de qualquer equipe. Sem conquistar o título mundial de construtores desde 1998, a McLaren via na dupla o fim do jejum. Mas os ingleses não contavam com a inimizade que surgiria nas temporadas de 2005 e 2006.

A “dupla dos sonhos” se tornou pesadelo quando um começou a tirar pontos do outro, não ajudando o jogo de equipe, e assim, permitindo que a francesa Renault conquistasse facilmente os títulos naqueles anos.

 

 

Fernando Alonso vs Lewis Hamilton

 

Hamilton e Alonso: inimizade logo no início de carreira do inglês

Hamilton e Alonso: inimizade logo no início de carreira do inglês

O então bicampeão consecutivo pela Renault, Fernando Alonso chegou em 2007 na McLaren achando que teria vida fácil ao lado do novato Lewis Hamilton. Mas o inglês surpreendeu logo no início da temporada com ótimos resultados.

A dupla lembrou Senna e Prost. Não só pelo talento, mas também pelas brigas. Ron Dennis, dirigente esportivo da McLaren chegou a afirmar que era mais fácil controlar a dupla dos anos 80 por não haver internet.

O apogeu dos desentendimentos aconteceu em 2007 no GP da Hungria. A FIA puniu Alonso com a perda de cinco posições no grip por considerar que ele forçou propositalmente ficar alguns segundos a mais nos boxes e impedir que o companheiro tivesse nova chance de fazer uma volta mais rápida. Na ocasião, Hamilton, irritado, chegou a xingar pelo rádio o chefe da equipe inglesa.

Durante a temporada, o espanhol declarou que a equipe estava favorecendo o calouro, enquanto Hamilton fazia a mesma acusação, dizendo que Alonso tinha a preferência por ser o piloto número 1. A rivalidade foi tanta que eles conseguiram até fazer as imprensas inglesas e espanholas brigarem na mídia.

Os terminaram com a mesma quantidade de pontos. Chegaram à última corrida do mundial, em Interlagos, com chances de título, mas os dois se atrapalharam e acabaram perdendo o campeonato para o finlandês Kimi Raikkonen da Ferrari.

 

 

Fernando Alonso vs Felipe Massa

 

Felipe Massa e Fernando Alonso: as brigas começaram em escuderias diferentes e quando se juntaram não deu muito certo

Felipe Massa e Fernando Alonso: as brigas começaram em escuderias diferentes e quando se juntaram não deu muito certo

 

 

A receita desta discórdia leva os mesmos ingredientes da briga entre Schumacher e Barrichello. Um piloto privilegiado como número 1, outro piloto como auxiliar para ajudar nas conquistas de título do #1 e da escuderia. O desfecho foi o mesmo: Em 2010, na Alemanha, Massa liderava a prova, mas após ouvir mensagem pelo rádio da equipe “Fernando está mais rápido que você”, o brasileiro cedeu a ultrapassagem ao espanhol.    

Massa também não estava satisfeito com o lugar que a equipe o colocava. Ele chegou a dizer que Alonso “não é uma pessoa fácil”. “Todo piloto tem que sentir o apoio da equipe e se não sente isso, sente que o outro tem mais atenção, fica complicado. Senti com o Alonso que o olhar deles era mais para ele do que para mim. Quando o Kimi foi campeão, o olhar era muito mais igual”, disse Massa.

As brigas começaram muito antes de serem da mesma equipe. Em 2007, a briga mais ácida foi após um toque entre os carros no GP da Europa. No fim da corrida, os dois bateram boca até chegar ao pódio onde não se olharam.

 

 

 

Mark Webber vs Sebastian Vettel

 

Webber e Vettel: mais um caso de companheiros de equipes que não se entendiam

Webber e Vettel: mais um caso de companheiros de equipes que não se entendiam

 

Os dois já não tinham muito apreço um pelo outro por sempre serem fortes concorrentes por títulos quando defendiam a Red Bull. Mas depois do GP da Malásia de 2013, a rivalidade se tornou pública. Após desobedecer a ordem de equipe para ficar atrás de Webber, Vettel não só passou o companheiro de equipe como reforçou que faria isso novamente porque estava mais rápido. Desde então, os dois se tratam como inimigos.

 

 

Lewis Hamilton vs Nico Rosberg

 

Hamilton e Rosberg a mais nova rixa entre companheiros de equipe

Hamilton e Rosberg a mais nova rixa entre companheiros de equipe

 

Assim como Senna e Prost, Mansell e Piquet, Raikkonen e Montoya, Webber e Vettel, Schumacher e Barrichelo, Alonso e Hamilton, este é mais um caso de companheiros de equipe que não se dão bem. Lewis Hamilton e Nico Rosberg praticamente se digladiam na Mercedes. Os dois pilotos têm a mesma idade, começaram juntos no kart, e até tinham um bom relacionamento, mas quando passaram a dividir a equipe, o clima pesou. A rivalidade entre a dupla estourou no GP de Mônaco, em maio de 2014, quando Rosberg garantiu a pole position após se beneficiar de um erro e Hamilton achou que o parceiro foi para a área de escape de propósito para provocar a bandeira amarela e atrapalhar sua volta rápida, o que fez com que o inglês rompesse a amizade com o alemão. Já no GP da Hungria, foi a vez de Nico se irritar com Hamilton, que se recusou a aceitar o pedido de dar passagem ao companheiro que vinha com uma estratégia de um pit stop a mais. Hamilton até chegou a questionar a verdadeira nacionalidade do alemão.

Na segunda volta do GP da Bélgica, Rosberg furou o pneu de Hamilton, que caiu pra último e abandonou a corrida a 5 voltas do fim, enquanto Rosberg chegou em segundo, atrás de Ricciardo, da RBR, e teve que aturar as vaias do público. Sobre o assunto, Hamilton disse que o colega de equipe fez de propósito e queria se vingar do que ocorreu no GP da Hungria. Já Rosberg, disse que foi apenas “um lance de corrida”.

 

Novos capítulos serão escritos assim que a F1 voltar de férias…

  

Texto: Juliana Bechelli – ClickSpeed
Fotos: Reprodução



Compartilhe esta notícia nas Redes Sociais: